AnálisesAnálises de Discos Clássicos

50 anos de Déjà vu, clássico de Crosby, Still, Nash & Young

Déjà Vu, clássico de Crosby, Stills, Nash & Young

Lançado em 11 de Março de 1970, é um dos mais aguardados segundos discos de todos os tempos (de acordo com o site All Music, empatado com a expectativa gerada pelos primeiros discos de Beatles e The Band). Assim, em poucos dias alcançou os primeiros lugares em vendas, e se tornaria o mais vendido da carreira de cada um deles.

O trabalho anterior fôra lançado apenas por Crosby, Stills e Nash, enquanto este contava com a adição de Neil Young. 4 incríveis talentos, eles conviveram pouco durante as cerca de 800 horas que o disco levou pra ser gravado. À exceção de poucas músicas, como Woodstock, onde todos estavam presentes na mesma sessão de gravação, as faixas deste disco foram gravadas em sessões individuais, com seu compositor gravando a base e a voz guia, que depois seriam complementadas pelos demais.

Ao longo dos anos, o grupo se tornaria conhecido também pelo difícil relacionamento entre seus membros.

Interessante como cada um deles assina a composição e faz o vocal principal em uma das 4 primeiras faixas, como que apresentando o time. Estas quatro canções iniciais foram compostas e cantadas respectivamente por Stills, Nash, Crosby e Young. A quinta faixa é de autoria de Joni Mitchell, que à época era casada com Nash.

A capa do disco, embora icônica para seus admiradores, não traduz toda a beleza mágica dos 36 minutos de música que traz. Confira a seguir o Faixa a Faixa e a Ficha Técnica deste clássico que completa meio século de existência.

FAIXA A FAIXA

Carry On – A música de abertura é uma das mais belas do álbum, com todos os elementos típicos de Crosby, Stills, Nash e Neil Young: Aberturas vocais delicadas, violões deliciosamente folk e uma melodia incrível. Vocal principal cantado por Stills. É uma das mais representativas do grupo, e em contraste com outras faixas do disco, levou apenas 8 horas da gravação à masterização final.

Teach Your Children – Música cantada por Nash sobre uma base com clima totalmente country, acentuado pela batida do violão de cordas de aço e dos licks de Lap Steel (ou Pedal Steel Guitar), executados por Jerry Garcia, guitarrista do Greatful Dead.

Almost Cut My Hair – Mais uma canção com título que remete à cultura hippie, que na real estava chegando ao fim com a entrada dos anos 70. Guitarras bem timbradas e que dialogam bem entre si, mais uma característica do grupo. É uma balada linda, com órgão hammond ao fundo, vocal rasgado de Crosby e dois belos solos de guitarra (que emendam um no outro).

Helpless – A voz inconfundível de Neil Young guia esta canção, mais uma bela balada com órgão e guitarra estilo lap steel (aquela que se toca com ela deitada no colo e utilizando um slide).

Woodstock – Começa com um riff de guitarra blues-rock sensacional  e traz Stills novamente na voz principal. Solo de guitarra rasgado, bem roqueiro, construído sobre frases da escala pentatônica, tão característica do blues e do rock.

Deja Vu – A introdução com um violão dedilhado de clima “fantasia medieval” lembra bastante algumas coisas do Jethro Tull, mas depois o clima da música muda, se tornando um pouco mais soturna. O belo solo de guitarra é feito numa tonalidade mais fechada, seguido por um solo de contra-baixo também muito interessante, tudo embalado pela voz de Crosby. Só esta faixa levou mais de 100 horas de trabalho no estúdio. A gaita nesta faixa é gravada por John Sebastian, ex-líder do Lovin’ Spoonful e que também gravou a gaita no clássico dos Doors, Roadhouse Blues (história que você pode conferir aqui).

Our House – Linda e singela canção cantada por Graham Nash, que a compôs sobre a casa em que vivia com sua então esposa, a cantora e compositora Joni Mitchell (eles estavam separados à época do lançamento do disco). Curiosamente, a história desta música aparece em um capítulo de uma das séries mais assistidas no mundo atualmente: This Is Us. Como uma das personagens comenta, é incrível como de algo tão comum, como um dia na vida de um casal, ele tenha conseguido extrair algo de beleza tão singela.

4 + 20 – A introdução conta com um lindo dedilhado de violão que antecipa mais uma linda canção de clima folk. Composição de Stills, que faz a voz nesta faixa.

Country Girl: A. Whiskey Boot Hill. B. Down, Down, Down. C. “Country Girl”(I Think You’re Pretty) – Uma introdução mais dramática, com piano, e uma densidade musical muito grande, com órgão criando uma cama quase onipresente enquanto Neil Young, que a compôs, canta sua melodia triste e bela dividindo os vocais com seus três parceiros. Uma linda gaita fecha a canção.

Everybody I Love You – Terminando o disco em alto astral, desde o título, à levada sensacionalmente empolgante, com vocais dobrados em belas melodias. Solo de guitarra tipicamente anos 70, com ótima escolha de notas e com o guitarrista trabalhando para a música. Única co-autoria do disco (entre Young e Stills, que faz o vocal principal).

FICHA TÉCNICA

Gravadora: Atlantic Records

Lançamento: 11 de Março de 1970

Produção:

Crosby, Still, Nash e Young: Produtores

Bill Halverson: Engenheiro

Gary Burden: Direção de Arte e Design

Henry Diltz e Tom Gundelfinger: Fotografia

Elliot Roberts: Direção

David Geffen: Agente

Joe Gastwirt: Remasterização Digital

Músicos:

David Crosby: Vozes e violão

Stephen Stills: Vozes, guitarras, teclados, baixo e percussão

Graham Nash: Vozes, teclados, violão e percussão

Neil Young: Vozes, guitarra, teclados e gaita

Músicos Adicionais:

Dallas Taylor: Bateria e Tamborim

Greg Reeves: Contrabaixo

Jerry Garcia: Pedal Steel Guitar em Teach Your Children

John Sebastian: Gaita em Déjà Vu.

Escute este álbum no Spotify.

Veja outras análises de álbuns clássicos aqui.

GOSTOU DESTE CONTEÚDO? ASSINE NOSSA NEWSLETTER E FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES!

 

 

Um comentário sobre “50 anos de Déjà vu, clássico de Crosby, Still, Nash & Young

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *